Nós, leigos do mundo da animação nos acostumamos tanto a nos deparar com o filme pronto e bonitinho em nossas telas que nos esquecemos que por trás das imagens há uma gigantesca pré-produção. E especialmente para nós, que nos aventuramos a entender e criticar esses produtos culturais, é importante também entender que por trás de um sucesso está todo um processo de planejamento muito bem elaborado e trabalhado. Chamamos essa etapa de planejamento e imaginação de “pré-produção”.

Roteiro

Não só na animação que os roteiros desempenham um papel essencial. Toda produção audio-visual, idealmente deve possuir um roteiro. Tudo começa com um “argumento”, um texto pequeno e sucinto, no qual serão depositados todos os conceitos do universo do filme, dos personagens e da história que será concretizada nas demais etapas de produção. Em seguida, esse argumento será desenvolvido em um roteiro, que define o desenrolar da história em passo-a-passo de cenas que levam do ponto inicial ao final.

Um bom roteiro desenvolve a história, atingindo o objetivo visado no “argumento”, sem se esquecer das estruturas que nos permitem entender o que está sendo contado.

É muito comum que produtores iniciantes pulem essa parte “mais chata”, por já terem “a ideia do filme na cabeça”. Mas a pressa é inimiga da perfeição. Sem um roteiro, inconsistências da história passam batido, a história perde em detalhes e profundidade, e erros bestas podem arruinar o filme. Imagine passar semanas animando um filme só para descobrir que o começo do filme não bate com o final, ou que uma das cenas está rasa demais e deveria ter mais informação. Melhor preparar o roteiro do que jogar o tempo fora trabalhando em uma obra superficial ou cheia de erros.

roteiro define até animação

O roteiro pode definir até o melhor tipo de animação a ser utilizado.

Na animação, o roteiro é ainda mais criterioso, uma vez que cenários, objetos e ações não serão “aproveitados” do mundo real nem simulados por atores. Como descreve o roteirista Pinaki Ghosh no site The Screenplay Writers, as descrições devem ser bastante vívidas para que os artistas que vão trabalhar na animação saibam exatamente o que criar e quais elementos colocar na tela.

Apesar de estar na fase de “pré-produção”, um bom roteiro de animação também já se preocupa com questões pertinentes da produção, como por exemplo, qual técnica será escolhida para animar. Cada modo de se “fabricar” uma animação tem possibilidades e limitações específicas. Talvez uma cena que, em stopmotion custaria um preço exorbitante, com desenho custaria bem menos (Você vai perceber que, falando de animação, preocupa-se muito com orçamento).

Cena excluída de Zootopia "The Taming Party"

Cena excluída de Zootopia, chamada The Taming Party

Mas claro, um roteiro não é a “chave do sucesso”. Tampouco é uma gaiolinha que engessa o filme. O processo de produção também revela problemas que devem ser resolvidos saindo do roteiro, ou adaptando-o. Os produtores de Zootopia tiveram esse problema. Eles constataram que o filme, já em processo de produção, estava adquirindo um tom demasiado sombrio e tenso. Tiveram que repensar todo o conceito do filme e retirar ou refazer várias cenas. Do outro lado temos também exemplos como O menino e o mundo, que segundo Alê Abreu, foi se construindo de acordo com que cada cena era produzida.

E se você já pensou em escrever o roteiro para uma animação, não fique bravo se o resultado final for diferente do descrito. Você vai descobrir que outros processos, como a edição, também são muito atuantes na construção da versão final da história que vai pra tela.

Leave a Reply

Your email address will not be published.